Participação da Pastoral da Criança em Conselhos de Políticas Públicas

De wiki2
Revisão de 15h38min de 12 de maio de 2021 por Silvio (Discussão | contribs)

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

ATA DA REUNIÃO CONJUNTA DO CONSELHO DIRETOR E ECONÔMICO

Com relação a participação da Pastoral da Criança nos Conselhos de Políticas Públicas, o Conselho Diretor determina:

a) Ao ser homologada a candidatura da Igreja Católica, através da CNBB, Regional da CNBB, Diocese ou Paróquia, a Pastoral da Criança deve retirar sua candidatura naquele Conselho de Política Pública;

b) Na qualidade de eleitora, a Pastoral da Criança deverá votar no candidato da Igreja Católica, mesmo em detrimento de outras entidades católicas que estejam concorrendo;

c) Considerando o perverso costume de troca de votos e favores nessas eleições, a Pastoral da Criança deverá sempre agir com ética e na construção de uma plataforma ou chapa que privilegie as propostas da Igreja Católica mesmo que isto implique na menor chance de eleição de outras entidades católicas;

d) A Pastoral da Criança não deverá pedir para ser a representante titular da Igreja Católica nesses conselhos;

e) A Pastoral da Criança poderá colocar-se à disposição da Igreja apenas como suplente;

f) Caso a Igreja Católica queira um representante de nossa Pastoral como titular ou suplente, a Pastoral da Criança deverá disponibilizá-lo e este defenderá sempre a posição da Igreja;

g) Caso a posição da Igreja entre em conflito com a postura pessoal do representante, ou mesmo com a posição oficial da Pastoral da Criança, isto deve ser explicitado apenas para quem o nomeou; em público, o representante sempre defenderá a posição da Igreja.

(O texto acima foi extraído da Reunião do Conselho Diretor e Econômico da Pastoral da Criança, realizado no dia 26 de Março de 2017)