Mudanças entre as edições de "Campanha para promover o Aleitamento Materno"

De wiki2
Ir para: navegação, pesquisa
(Campanha para promover o Aleitamento Materno)
 
Linha 10: Linha 10:
 
Os líderes da Pastoral da Criança também são orientados a utilizar as Cartelas Laços de Amor ao visitar a gestante. As cartelas contém informações importantes, além de ser um presente da líder para a gestante.
 
Os líderes da Pastoral da Criança também são orientados a utilizar as Cartelas Laços de Amor ao visitar a gestante. As cartelas contém informações importantes, além de ser um presente da líder para a gestante.
  
=== Mamilos planos ou invertidos ===
+
=== Principais dificuldades na amamentação ===
Mamilos planos ou invertidos podem dificultar o início da amamentação, mas não necessariamente a impedem, pois o bebê pode fazer o “bico” com a aréola. Para comprovar se os mamilos são invertidos pressiona-se a aréola entre o polegar e o dedo indicador: se o mamilo for invertido, ele se retrai; caso contrário, não é mamilo invertido. Para a mãe que tem mamilos planos ou invertidos conseguir amamentar com sucesso, é fundamental que receba ajuda logo após o nascimento do bebê. As medidas a serem tomadas são:
+
Nas páginas 31 até 49 - [https://doc.pastoraldacrianca.org.br/share/page/context/shared/document-details?nodeRef=workspace://SpacesStore/5796c466-8b20-40a8-a1e9-303b19118080 Clique aqui]  
 
 
• Transmitir à mãe que com paciência e perseverança o problema poderá ser superado e que com a sucção do bebê os mamilos vão se tornando mais propícios à amamentação.
 
 
 
• Orientar as mães a ordenhar seu leite enquanto o bebê não sugar efetivamente, para manter a produção do leite e deixar as mamas macias, facilitando a pega. O leite ordenhado deve ser oferecido ao bebê, de preferência em copinho.
 
 
 
• Auxiliar a mãe quando o bebê não consegue abocanhar o mamilo e parte da aréola, orientando técnicas que favoreçam a pega. É muito importante que a aréola esteja macia.
 
 
 
• Tentar diferentes posições para ver em qual delas a mãe e o bebê adaptam-se melhor.
 
 
 
• Orientar a mãe para utilizar manobras que podem ajudar a aumentar o mamilo antes das mamadas, tais como simples estímulo manual do mamilo, compressas frias nos mamilos e sucção com bomba manual ou seringa de 10 ou 20mL adaptada (cortada para eliminar a saída estreita e com o êmbolo inserido na extremidade cortada). Recomenda-se essa técnica antes das mamadas e também nos intervalos. O mamilo deve ser mantido em sucção por 30 a 60 segundos, ou menos se houver desconforto. A sucção não deve ser muito vigorosa para não causar dor ou mesmo machucar os mamilos.
 
 
 
sering121_001.jpg sering123.jpg seringa124-1.jpg seringa0125.jpg seringa0126.jpg
 
 
 
• Excepcionalmente pode se lançar mão dos intermediários de silicone, quando todas as tentativas de fazer a criança sugar na mama se mostraram ineficientes. Tal artefato deve ser utilizado pelo menor tempo possível, enquanto o problema está sendo resolvido, pois a criança pode se tornar dependente de seu uso. Para que não haja interferência na transferência do leite da mama para a criança e nos níveis maternos de prolactina, recomenda- se o uso de intermediários com camada fina de silicone. Deve-se evitar intermediários mais espessos, de borracha ou de látex.
 
 
 
=== Ingurgitamento mamário ===
 
Ingurgitamento discreto é um sinal positivo de que o leite está “descendo”, não sendo necessária qualquer intervenção. No ingurgitamento patológico, a mama fica excessivamente distendida, o que causa grande desconforto, às vezes acompanhado de febre e mal-estar. Pode haver áreas difusas avermelhadas, edemaciadas e brilhantes. Os mamilos ficam achatados, dificultando a pega do bebê, e o leite muitas vezes não flui com facilidade, devido ao edema e à viscosidade aumentada do leite represado.
 
 
 
As medidas a serem adotadas no manejo do ingurgitamento mamário incluem:4
 
 
 
• Ordenha manual da aréola, se estiver tensa, antes da mamada, para que fique macia, facilitando a pega adequada do bebê. A ordenha deve ser delicada.
 
 
 
• Mamadas frequentes, sem horários pré-estabelecidos (livre demanda).
 
 
 
• Massagens delicadas das mamas, com movimentos circulares, particularmente nas regiões mais afetadas pelo ingurgitamento; elas fluidificam o leite viscoso acumulado, facilitando sua retirada, e são importantes estímulos do reflexo de ejeção do leite.
 
 
 
• Uso de analgésicos sistêmicos. Ibuprofeno é considerado o mais efetivo, auxiliando também na redução da inflamação e do edema.5 Paracetamol ou dipirona podem ser usados como alternativas.
 
 
 
• Suporte para as mamas, com o uso ininterrupto de sutiã com alças largas e firmes, para alívio da dor e manutenção dos ductos em posição anatômica.
 
 
 
• Compressas frias (ou gelo envolto em tecido) nas mamas nos intervalos ou logo após as mamadas; em situações de maior gravidade, podem ser feitas de 2 em 2 horas. Importante: o tempo de aplicação das compressas frias não deve ultrapassar 20 minutos, devido à possibilidade de efeito rebote.
 
 
 
• Se o bebê não sugar, a mama deve ser ordenhada manualmente ou com bomba de extração de leite. O esvaziamento da mama é essencial para dar alívio à mãe, diminuir a pressão dentro dos alvéolos, aumentar a drenagem da linfa e do edema e não comprometer a produção do leite, além de prevenir a ocorrência de mastite.
 
 
 
São medidas eficazes na prevenção do ingurgitamento mamário:
 
 
 
• Início do AM logo após o parto.
 
 
 
• Amamentação em livre demanda.
 
 
 
• Técnica de amamentação adequada.
 
 
 
• Abstenção do uso de suplementos (água, chás e outros tipos de leite).
 
 
 
Referência Bibliográfica:
 
 
 
Atenção à Saúde do Recém-Nascido Guia para os Profissionais de Saúde (páginas 135,136,137)
 
 
 
[http://doc.pastoraldacrianca.org.br/share/s/NY9PQsIgQqG30XofzIdKQA Atenção Recem Nascido Guia Profissionais Saúde volume 1]
 
 
 
=== Relação do uso de medicações e o aleitamento materno ===
 
É muito frequente o uso de medicamentos e outras substâncias por mulheres que estão amamentando. A maioria é compatível com a amamentação; poucos são os fármacos formalmente contraindicados e alguns requerem cautela ao serem prescritos durante a amamentação, devido aos riscos de efeitos adversos nos lactentes e/ou na lactação. No entanto, com frequência os profissionais de saúde recomendam a interrupção do aleitamento materno quando as mães são medicadas, muitas vezes porque desconhecem o grau de segurança do uso das diversas drogas (também referidas como medicamentos ou fármacos) durante o período de lactação. Por isso,cabe ao profissional de saúde, antes de tomar qualquer decisão, buscar informações atualizadas para avaliar adequadamente os riscos e os benefícios do uso de uma determinada droga em uma mulher que está amamentando. Visando uma melhor orientação em anexo o estudo MINISTÉRIO DA SAÚDE - Secretaria de Atenção à Saúde - Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas 2010.
 
 
 
[http://doc.pastoraldacrianca.org.br/share/s/o2bD-bq6SqOeRmsl7vhbdg Uso de Medicações e o Aleitamento Materno]
 
  
 
=== Bebê, em aleitamento materno exclusivo, acima do peso, pode fazer dieta. ===
 
=== Bebê, em aleitamento materno exclusivo, acima do peso, pode fazer dieta. ===

Edição atual tal como às 11h34min de 13 de novembro de 2019

Campanha para promover o Aleitamento Materno

O leite materno é um alimento perfeito que Deus colocou à disposição nos primeiros anos de vida da criança. Permanentemente, a Pastoral da Criança promove o aleitamento materno exclusivo até os seis meses, e, em seguida, continuar com outros alimentos. Isso protege o bebê contra doenças, desenvolve melhor e fortalece a criança.

Durante as visitas domiciliares, as líderes da Pastoral da Criança devem orientar as gestantes sobre a importância da amamentação, antes mesmo do nascimento nascimento do bebê. Durante a gestação, ela deve iniciar o preparo das mamas para alimentar seu bebê. O líder reforça as vantagens que o aleitamento materno traz para a criança, para a mãe e par a família em geral.

leite materno é o único alimento que o bebê precisa nos 6 primeiros meses de vida. Ele possui todos os nutrientes que a criança necessita para crescer e se desenvolver. A amamentação reforça a ligação da mãe com seu bebê. Em cada mamada mãe e bebê vão se conhecendo mais, se gostando mais.

O leite materno aumenta as defesas do corpo do bebê protegendo-o contra a diarréia e outras doenças. Após os 6 meses é necessário iniciar a introdução de sucos e outros alimentos. A papa de frutas, legumes ou cereais deve ser feita com alimentos da região e dada nos intervalos entre cada mamada. É muito importante a higiene das mãos e dos utensílios que serão utilizados para alimentar o bebê.

Os líderes da Pastoral da Criança também são orientados a utilizar as Cartelas Laços de Amor ao visitar a gestante. As cartelas contém informações importantes, além de ser um presente da líder para a gestante.

Principais dificuldades na amamentação

Nas páginas 31 até 49 - Clique aqui

Bebê, em aleitamento materno exclusivo, acima do peso, pode fazer dieta.

  • Um aspecto importante a considerar é o peso de nascimento, bebês classificados como grandes para idade gestacional (GIG) têm sido apontados como tendo maior probabilidade de terem excesso de peso, (os filhos de mães diabéticas, por exemplo, tem mais chances de serem GiGs).
  • Mães muito ansiosas poderiam dar de mamar a qualquer desconforto do bebê, mas não é  esperado que fosse numa proporção tão grande e fosse ter um impacto a ponto de levar à obesidade tantos bebês...
  • O profissional de saúde deveria avaliar sempre: curvas dos bebês, vendo se estão mesmo com sobrepeso; avaliar o peso de nascimento para ver se não são bebês que já nasceram grandes, e ver como está sendo a rotina de aleitamento das mães.
  • Não recomendamos fazer dieta de leite materno, pois se diminuir a oferta de leite para bebês que são grandes, ficarão com fome e frustrados.

''Dra Elaine Zanrebla''